opinião

S érgio Pessoa - Jornalista

É uma última tentativa dos que passaram a metade do ano tentando impedir que o governo deslanchasse. Dos que ameaçaram com CPIs e até com o impeachment do governador, para se manter em destaque em sua própria mídia.

Para oposição Amazonino não pode governar nem ser candidato

Já ficou claro para quem acompanha a política no Amazonas: o discurso preparado pelos oposicionistas é o seguinte: 1) se Amazonino Mendes cumprir o orçamento, aprovado pela Assembleia, que prevê o programa de entrega de implementos agrícolas para o desenvolvimento do interior do Estado, “comete crime eleitoral”; 2) se Amazonino não cumprir o orçamento, que prevê muitos recursos para o interior, “comete crime de responsabilidade”. São argumentos que servem para gerar notícias, mas completamente descabidos, de quem não consegue outros melhores.

É uma última tentativa dos que passaram a metade do ano tentando impedir que o governo deslanchasse. Dos que ameaçaram com CPIs e até com o impeachment do governador, para se manter em destaque em sua própria mídia.

Simples assim: a oposição já sabe que o governo deslanchou, que a “casa está arrumada” e que as ações começaram a ocorrer e dar resultados em todas as áreas do governo. O motivo? Bateu o desespero após os números de suas próprias pesquisas demonstrarem que os ataques não enganaram os eleitores. Então, sem outra saída, os opositores, depois de atiraram durante seis meses – sem resultado – contra Amazonino, agora tentam impedir que ele seja candidato à reeleição.

É que, de novo, a candidatura de Amazonino, ainda não oficialmente anunciada, ameaça muito os planos dos opositores voltarem ao governo. Mas ameaça exatamente quem? Todo o grupo que apoiou o governador cassado do Amazonas e que, depois, foi preso por envolvimento num esquema que desviou, pelo menos, R$ 100 milhões da saúde do Estado, aquele a quem chamavam de “professor” José Melo (PROS).

A reeleição de Amazonino ameaça essa oposição que se calou diante dos descalabros cometidos pelo seu “professor”. Por isso, a oposição pretende impedir que Amazonino governe. E, se conseguir governar, que não seja candidato. Simples assim. Os oposicionistas sabem que Amazonino, neste mandato, tem um governo inteiro dentro de um ano eleitoral e se preparou, como governante experiente, dentro a lei, para não deixar sua administração engessada. Se preparou para fazer e acontecer.

Amazonino poderia até ficar parado e dar desculpas, dizer que não podia fazer nada pois a legislação eleitoral não lhe permite. Mas decidiu fazer o contrário e trabalhar, dentro do que a legislação permite.

E, pelo caminhar da carruagem, pode ser mesmo candidato à reeleição.

Para oposição Amazonino não pode governar nem ser candidato

É uma última tentativa dos que passaram a metade do ano tentando impedir que o governo deslanchasse. Dos que ameaçaram com CPIs e até com o impeachment do governador, para se manter em destaque em sua própria mídia.

Para oposição Amazonino não pode governar nem ser candidato

É uma última tentativa dos que passaram a metade do ano tentando impedir que o governo deslanchasse. Dos que ameaçaram com CPIs e até com o impeachment do governador, para se manter em destaque em sua própria mídia.

Para oposição Amazonino não pode governar nem ser candidato

É uma última tentativa dos que passaram a metade do ano tentando impedir que o governo deslanchasse. Dos que ameaçaram com CPIs e até com o impeachment do governador, para se manter em destaque em sua própria mídia.

Para oposição Amazonino não pode governar nem ser candidato

É uma última tentativa dos que passaram a metade do ano tentando impedir que o governo deslanchasse. Dos que ameaçaram com CPIs e até com o impeachment do governador, para se manter em destaque em sua própria mídia.

Para oposição Amazonino não pode governar nem ser candidato

É uma última tentativa dos que passaram a metade do ano tentando impedir que o governo deslanchasse. Dos que ameaçaram com CPIs e até com o impeachment do governador, para se manter em destaque em sua própria mídia.