‘Política do conchavo representa o atraso e a inércia’, diz Romero Reis

O pré-candidato à Prefeitura de Manaus já foi filiado ao PSL, mas se retirou da sigla por não concordar com os "posicionamentos da cúpula do Amazonas"

Manaus | AM | Com informações da assessoria de imprensa

O pré-candidato a prefeito de Manaus pelo partido Novo, Romero Reis, disse nesta sexta-feira (4), que a política do conchavo, baseada na amizade, na troca de favores representa o atraso e a inércia. “O que irá resolver os graves problemas de Manaus é conteúdo, é liderança, é experiência, é competência e, principalmente, boa fé. Sou o único representante da política moderna”.

Reis salientou que a liderança adquirida no Exército Brasileiro, onde chegou ao posto de major, e a gestão administrativa eficiente da RD Engenharia, empresa que constituiu há 25 anos e gera milhares de empregos, lhe conferem a experiência que Manaus precisa para evoluir.

“Não se pode inchar as secretarias com contratações desnecessárias sob pena de comprometer ainda mais o orçamento. O próximo prefeito de Manaus tem de capacitar os servidores e implantar ferramentas tecnológicas para que os serviços sejam prestados rapidamente e sem burocracia”, ponderou ele.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

TCE-AM multa ex-secretária do Fundo Municipal de Saúde de Barcelos

Antes de assinar ordem de serviço da BR-319, ministro passará por Rondônia e Humaitá

Ao lado de Alberto Neto, Bolsonaro diz que a Amazônia 'poder ser a independência econômica do País'