MP-AM ajuíza ação para impedir realização de eventos de aglomeração em Rio Preto da Eva

Os eventos, segundo o MP-AM, incentivam aglomerações e vão de encontro à situação de agravamento dos casos de Covid-19 em todo o Estado

Manaus | AM | Com informações da assessoria de imprensa

O Ministério Público do Amazonas (MP-AM), por intermédio do promotor de Justiça plantonista Vivaldo Castro de Souza, ajuizou, neste fim de semana, Ação Civil Pública (ACP) com objetivo de fazer a Justiça proibir a realização dos eventos Marcha para Jesus e o Réveillon, anunciados pela Prefeitura de Rio Preto da Eva.

O MP-AM considera que a proximidade da cidade com a capital pode contribuir para a proliferação da pandemia do novo coronavírus (Covid-19) na população que se deslocaria até o município. Nesta segunda-feira (28), o juiz Carlos Jardim deu o prazo de 24 horas para que a prefeitura local se manifestasse sobre o caso. O MP espera a decisão liminar.

Uma resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Covid-19: liminar garante imunização de adolescentes por estados, municípios e DF

Deputados comentam discurso de Bolsonaro na Assembleia-Geral da ONU

David Reis publica suspensão do edital de construção do 'puxadinho' por determinação da Justiça