Empresário afirma que recebeu oferta de propina por vacinas de diretor do Ministério da Saúde

A informação foi confirmada, nesta quinta-feira (1º), durante depoimento da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pandemia

Manaus | AM

O empresário Luiz Paulo Dominguetti Pereira afirmou, nesta quinta-feira (1º), na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pandemia, Do Senado Federal, em Brasília, que recebeu oferta de propina por vacinas da Astrazeneca de um representante do Ministério da Saúde do Governo Federal.

A compra de 400 milhões de doses do imunizante, pelo ministério, geraria um montante ilícito de R$ 2 bilhões. Dominguetti disse, ainda, que a oferta inicial da empresa Davati foi de U$ 3,50 por dose de vacina, porém, o diretor de Logística do Ministério da Saúde, Roberto Ferreira Dias, pediu o pagamento de propina de US$ 1 por dose, com o aumento do valor da dose.

O depoente confirmou, na comissão, que a proposta de propina foi feita no dia 25 de fevereiro, em um restaurante de Brasília. Dominguetti afirmou, também, que foi apresentado ao servidor pelo ‘coronel Blanco’, identificado pelos integrantes da CPI como o tenente-coronel Marcelo Blanco, ex-assessor de Dias no ministério, que também estaria na reunião.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

CPI da Pandemia aprova quebras de sigilo e requisição de servidores da PF

Câmara aprova texto-base do projeto de privatização dos Correios

Pauta de tramitação da Aleam tem projetos voltados para o meio ambiente e saúde mental