PL quer impedir que mesmo juiz seja relator de inquérito e da ação penal

Manaus-AM |

A Câmara Federal deve analisar o projeto de Lei nº 558/21 da deputada Celina Leão (PP) que estabelece que o relator do inquérito, durante processos de competência originária de Tribunais, não poderá aturar como relator da instrução.

Segundo a autora do projeto, é necessário seguir o modelo penal acusatório previsto na Constituição Federal. “Os processos de competência originária dos Tribunais, por óbvio, não escapam a essa regra”, frisou.

O juiz natural confere ao acusado “ou deveria conferir” a segurança de que será julgado por um juiz competente e imparcial, segundo Celina. Essa garantia fica enfraquecida quando se permite que o relator do inquérito funcione também como relator da ação penal (relator da instrução).

“Busca-se conferir a esses processos o caráter acusatório exigido por nossa Constituição, garantindo-se que a imparcialidade do julgador não seja mera ficção, mas se concretize em respeito à paridade de armas, ao contraditório, à ampla defesa, ao devido processo legal e à presunção de inocência.”, disse a parlamentar.

Juiz de garantias no STF e STJ?

A proposta é colocada na Mesa da Câmara após a prisão do deputado Daniel Silveira, preso no âmbito de inquérito que investiga ofensas, ameaças e fake news contra o Supremo. O relator deste inquérito é o ministro Alexandre Moraes. Então, se a proposta virar lei, Alexandre de Moraes não poderia, por exemplo, ser relator de uma possível ação penal contra o deputado.

O desembargador do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP), Guilherme Nucci, comentou a criação do juiz das garantias: “Juiz não tem que requisitar prova, determinar instauração de inquérito. Tem que sair fora como protagonista da fase de investigação”, disse.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Menezes retoma viagens pelo interior do Estado por Apuí

Denúncias contra Prevent Senior foram manipuladas, diz diretor na CPI

Governo do Estado atua em duas frentes para investigar casos suspeitos de rabdomiólise no Amazonas