MP-AM aciona Justiça para brecar aumento de salário do Executivo e do Legislativo de Humaitá

As Leis Municipais n. 858 e n. 859/2020 foram aprovadas em dezembro de 2020, estabelecendo reajustes que variam de 20% a 50% nos subsídios de vereadores, do prefeito, do vice-prefeito e dos secretários de Humaitá

Manaus | AM | Com informações da assessoria de imprensa

O Ministério Público do Amazonas (MP-AM, por meio 2ª Promotoria de Justiça de Humaitá, ajuizou na última sexta-feira (10), uma Ação Civil Pública (ACP) com pedido de tutela de urgência, obrigação de não fazer e nulidade, contra a implementação de suposto aumento ilegal de salários de agentes e servidores públicos daquela cidade.

As Leis Municipais n. 858 e n. 859/2020 foram aprovadas em dezembro de 2020, estabelecendo reajustes que variam de 20% a 50% nos subsídios de vereadores, do prefeito, do vice-prefeito e dos secretários de Humaitá. Além da suspensão dos efeitos dessas leis, o MP-AM quer que a Justiça determine a nulidades delas.

“As leis foram aprovadas a ‘toque de caixa’, com rapidez impressionante e sem qualquer estimativa de preço, demonstração da origem dos recursos para custeio ou comprovação de não afetação das metas de resultados fiscais”, observa o promotor de Justiça, Rodrigo Nicoletti.

Os subsídios do prefeito, do vice-prefeito, dos secretários municipais e dos vereadores devem ser fixados pela Câmara Municipal no último ano da legislatura, até 30 dias antes das eleições municipais. “Em 2020, as eleições ocorreram em 15 e 29 de novembro. Logo, somente seriam regulares se tivessem sido votadas até 15 de outubro de 2020”, aponta Nicoletti.

Conforme a LC n. 173/2020, artigo 21, é nulo de pleno direito o ato que provoque aumento da despesa com pessoal e não atenda às exigências dos arts. 16 e 17 da LC 101/2020. Ou seja, para, para ser válida, a criação, expansão ou aperfeiçoamento de ação governamental que acarrete aumento da despesa deve incluir estimativa do impacto orçamentário-financeiro e declaração do ordenador da despesa de que o aumento é adequado e compatível com a lei orçamentária anual, com o plano plurianual e com a lei de diretrizes orçamentárias.

O Ministério Público chegou a expedir Recomendação (n. 21/4947.2ªPJH) ao prefeito e ao presidente da Câmara Municipal de Humaitá, para que suspendessem, no âmbito de suas competências, os pagamentos decorrentes dos aumentos autorizados pelas leis n. 858 e 859/2020. A recomendação foi acatada parcialmente, com suspensão das despesas até 2022, a despeito das demais irregularidades já identificadas, o que levou o MP-AM ao ajuizamento da ACP.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

David Reis diz que vereadores decidirão se licitação das 41 pick ups vai continuar na CMM

Bolsonaro afirma que Governo Federal zerou impostos de medicamentos

Marcelo Ramos afirma que aumento do IOF é uma maldade com o povo brasileiro