Ministro Marcelo Queiroga lança três portarias em Manaus

O ministro da Saúde, Marcelo Querioga, chegou a Manaus na noite desta sexta-feira (10) e neste sábado (11), cumpre agenda na zona rural da capital

Manaus | AM

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, juntamente com o secretário de Atenção Primária à Saúde, Raphael Câmara Medeiros Parente, esta em Manaus desde a noite desta sexta-feira (10), para cumprir agenda na zona rural da capital do Estado. Por meio de suas redes sociais, ele anunciou, neste sábado (11), que lançará três portarias em Manaus.

A primeira portaria é destinada às Unidades Básicas de Saúde Fluviais (UBSFs), outra destinada à unidades ribeirinhas e outra à saúde do adolescente. “Sabemos que o problema da gravidez na adolescência é muito grande no Norte. Por isso, estamos aqui, pessoalmente, para lançarmos essas três portarias”, disse Raphael Câmara.

Já Queiroga, ressaltou que muitas pessoas não têm conhecimento da capilaridade do País, mas que isso sempre foi uma preocupação do Governo Federal. “O governo Bolsonaro, desde o primeiro momento, quis priorizar a atenção primeira para essas populações de áreas mais remotas e que, até então, estavam afastadas”, comentou.

Entre as ações que serão colocadas em prática, estão o controle da pressão arterial, da diabetes e o combate ao tabagismo, com o intuito de diminuir a mortalidade. “O Governo Federal financia essas unidades básicas, juntamente com o apoio da Prefeitura de Manaus, para que essa população não precise se deslocar até a capital em busca de tratamento”, reforçou Câmara.

Ainda nesta sexta-feira, Marcelo Queiroga e Raphael Câmara estiveram em Belém, no Pará, e visitaram o Instituto Evandro Chagas, instituição destinada à pesquisa científica, que possui laboratórios no município de Ananindeua.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Menezes retoma viagens pelo interior do Estado por Apuí

Denúncias contra Prevent Senior foram manipuladas, diz diretor na CPI

Governo do Estado atua em duas frentes para investigar casos suspeitos de rabdomiólise no Amazonas