Carlos Almeida é alvo de operação da Polícia Federal

A ação policial desta quinta-feira (8), que tem como alvo Carlos Almeida, é uma desdobramento da operação ‘Sangria, deflagrada pela Polícia Federal

Manaus | AM

A casa e o gabinete do vice-governador do Amazonas, Carlos Almeida, estão sendo alvo de operação da Polícia Federal (PF), na manhã desta quinta-feira (8).

A ação é um desdobramento da operação ‘Sangria’, que apura possíveis irregularidades na compra de insumos de combate ao novo coronavírus (Covid-19).

A residência de Carlos Almeida, no bairro Ponta Negra, zona oeste de Manaus, foi minuciosamente vistoriada. Além disso, o celular do vice-governador foi apreendido.

Investigação

De acordo com nota emitida pela Polícia Federal, a operação desta quinta teve apoio do Ministério Público Federal e da Controladoria-Geral da União. A ‘Sangria’ investiga fatos relacionados a possíveis práticas de crimes, como pertencimento a organização criminosa, fraude à licitação, desvio de recursos públicos e lavagem de dinheiro.

Ao todo, a operação visa a cumprir 14 mandados judiciais expedidos pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ), dos quais nove são de busca e apreensão e cinco de prisão temporária, todos cumpridos em Manaus.

Dentre os presos temporariamente estão  o ex-secretário de Saúde do Estado, Rodrigo Tobias; Carlos Avelino Júnior, empresário e marido da ex-secretária de Comunicação do Estado, Daniela Asssayag; o empresário Gutemberg Alencar; a ex-secretária-executiva de Saúde, Dayana Mejia e Ronald Gonçalo Caldas Santos.

Cinco são presos temporariamente durante operação da PF, nesta quinta

Fases

Na primeira fase da operação, verificou-se que uma empresa comercializadora de vinhos, utilizando-se de empréstimo de dinheiro, adquiriu de uma empresa local os respiradores pulmonares. Em seguida, revendeu-os ao Estado do Amazonas com preço superfaturado. Já o dinheiro recebido pelo governo do Amazonas foi remetido ao exterior, para uma empresa aparentemente de fachada.

A partir dos elementos de prova, após o cumprimento dos mandados judiciais na primeira fase, identificou-se que mais funcionários do alto escalão da Secretaria de Saúde do Amazonas (Susam) também participaram do processo de contratação fraudulenta para favorecer grupo de empresários locais, sob orientação da cúpula do governo do Estado.

Há indícios de que a aquisição destes respiradores pulmonares seria apenas o início de outros esquemas de compra de equipamentos que seriam realizados durante a pandemia do Covid-19, na medida em que, na primeira fase ostensiva, foram apreendidas consideráveis propostas de preços de respiradores pulmonares de diferentes empresas na posse de apenas um empresário, sem razões aparentes.

Observou-se, ainda, a participação efetiva de sócio oculto ligado a uma empresa investigada, o qual, com o lucro obtido de maneira fraudulenta, investiu na aquisição dos testes rápidos para Covid-19, com a finalidade de revender ao Estado do Amazonas e aumentar o proveito da vantagem obtida de maneira ilícita.

Nota

Em nota, o governo do Amazonas informou que está contribuindo com a apuração dos fatos pela Polícia Federal e órgãos de controle e que a ação de busca e apreensão, desencadeada nesta quinta-feira, envolve, em grande parte, pessoas que já não fazem mais parte da estrutura de governo, bem como servidores que não atuam como ordenadores de despesas ou tenham poder de decisão na estrutura do Estado ou da investigação em questão.

*Matéria atualizada às 8h50 para acréscimo de informações

3 respostas

  1. Bom fia.
    Que se investigue, apure e se processe pra se julgado culpado seja condenado.
    Por enquanto ele é só investigado.
    Torço para que ele não esteja envolvido com desvios de recursos públicos.

  2. Parabéns a polícia Federal e, ao STJ pela brilhante autuação, o povo do Amazonas merecem respeito, ao presidente BOLSONARO fez e está fazendo o melhor para saúde dos brasileiros infelizmente existe governadores desonestos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quase 80% avalia gestão de Arthur Neto entre regular e péssima, diz Ibope

Gilmar Mendes aponta 'telhado de vidro' de quem critica monocráticas

Novo procurador-geral de Justiça toma posse e ressalta prioridades de sua gestão