Wilker, Dermilson e Amazonino perdem a direção do Podemos para grupo aliado de Wilson Lima

Deputado Wilker disse que seguirá Amazonino para o DEM, porém, Dermilson fez mistério se vai para o MDB de Eduardo Braga ou continua com Mendes

Manaus|AM

Os deputados estaduais Wilker Barreto e Dermilson Chagas perderam, nesta sexta-feira (9), a direção do Podemos para o grupo aliado ao governador Wilson Lima (PSC). OS parlamentares, além dos vereadores Amom Mandel e Professora Jacqueline, explicaram, durante coletiva de imprensa, na Assembleia Legislativa do Amazonas (ALEAM), o motivo da saída do partido e destacaram que o atual presidente estadual da sigla, o ex-governador Amazonino Mendes está migrando para o Democratas (DEM) comandado no Amazonas pelo secretário Municipal de Educação (Semed), Pauderney Avelino e Antônio Carlos Magalhães (ACM) Neto.

Próximos passos
“Já anunciei que seguirei o Amazonino (Mendes), pois acredito no projeto que ele traz para o Amazonas”, afirmou Wilker Barreto, dando a entender que poderá ir ao DEM.

Dermilson foi questionado se seguiria o caminho para o Movimento Democrático Brasileiro (MDB) de Eduardo Braga, no entanto, não disse que sim e nem que não.

“Existem muitas possibilidades, muitas conversas e um norte acompanhando nossos discursos, nossas ações falam por si só. Tem muita coisa a avançar e também converso muito com Amazonino”, afirmou o parlamentar.

Amom Mandel e Professora Jacqueline afirmaram que até o momento não tem planos para se filiar em outra legenda na capital amazonense.

Quem comandará a sigla
Wilker Barreto, durante a coletiva, destacou que ainda não sabe se o deputado estadual Abdala Fraxe ou o deputado federal Alberto Neto (Republicanos) comandarão a sigla.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Carlinhos Bessa agradece Wilson Lima por CETI de Tefé

TCE-AM muda para quarta-feira o julgamento das contas de ex-gestores de Arthur Neto e Amazonino Mendes

Câmara pode votar nesta terça-feira MP sobre suspensão de contratos de trabalho na pandemia