Votação sobre a quebra de sigilo de Fausto Jr. e conselheira do TCE-AM é retirada de pauta

Os pedidos foram assinados pelo senador Omar Aziz, presidente da CPI da Pandemia, colocados em votação, nesta quarta-feira (30), e posteriormente retirados de pauta

Manaus | AM

A reunião desta quarta-feira (30) da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pandemia foi aberta com uma longa discussão entre os senadores a respeito de requerimentos colocados em pauta pelo presidente, Omar Aziz (PSD-AM), que acusa a conselheira do Tribunal de Contas do Estado do Amazonas (TCE-AM), Yara Lins, de ter sido beneficiada pelo governo local em troca de proteção ao governador Wilson Lima.

Yara é mãe do deputado estadual Fausto Junior (MDB), que prestou depoimento à CPI da Pandemia, nesta terça-feira (29). Fausto foi relator de uma comissão de inquérito na Assembleia Legislativa do Amazonas e, em seu relatório final, não pediu o indiciamento do governador, o que causou estranheza a vários senadores.

Fausto Jr. reconhece que não havia indícios suficientes para indiciar Wilson Lima e demais governadores no âmbito da CPI da Saúde

O senador Eduardo Braga (MDB-AM) alegou que os requerimentos relativos ao tema foram apresentados na noite de terça-feira, desrespeitando o prazo regimental de 48 horas de antecedência.

“Essa comissão não pode ser destinada a uma disputa regional. O senhor está colocando a família da conselheira entre os requerimentos de quebra de sigilo com qual argumentação? Será que os senadores ficam à vontade para votar isso dessa forma? (…) O senhor quer trazer para esta CPI a disputa de 2022 no estado do Amazonas. Não faça isso, senador!”, afirmou, irritado, Eduardo Braga.

O presidente Omar Aziz alegou não se tratar de uma questão regional e que irregularidades no Amazonas fazem parte do escopo inicial da comissão parlamentar de inquérito.

Jovem deputado, Fausto Jr. deixa Braga e Omar em maus lençóis na CPI da Pandemia

“A maioria desses requerimentos foram feitos por mim, assinados por mim, e tratam basicamente do Amazonas, onde eu afirmo que tem fortes indícios de que uma conselheira estaria recebendo vantagens para que o filho dela não indiciasse o governador Wilson Lima”, esclareceu.

Os dois prosseguiram a discussão e foi preciso que outros senadores interviessem, pedindo calma. Diante do impasse, os requerimentos sobre o assunto foram retirados de pauta.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

MP-AM recomenda que Prefeitura de Lábrea garanta publicidade às licitações

Deputados da ALEAM apresentaram 313 projetos de lei nos sete meses de 2021; confira ranking

Prefeito de Eirunepé é alvo de representação por suposta burla na área da Educação