Exclusivo: Vânia Marques Marinho fala sobre nova etapa de sua vida como desembargadora do TJAM

A desembargadora Vânia Marques Marinho foi promovida ao cargo de desembargadora por meio da lista tríplice do Ministério Público do Amazonas

Manaus | AM

Na manhã desta terça-feira (6), a nova desembargadora do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM), Vânia Marques Marinho, concedeu uma entrevista exclusiva ao jornalista Álvaro Corado, no Jornal da Cidade, pela Rádio Cidade, e contou um pouco de como vai ser essa nova etapa de sua vida. Ela foi escolhida para o cargo após aprovação da tríplice do Ministério Público do Amazonas (MP-AM), para compor a Corte do TJAM.

Segundo Vânia, que está chegando no Poder Judiciário, diz que agora deve aprender a sentir a angústia do julgador. “Todos que temos o ônus de decidir, sentem sempre uma angustia muito grande, pois temos que optar sempre pela imparcialidade e pelo julgo da lei”, disse ela.

Além disso, a desembargadora está entrando no TJAM em meio a uma “polarização” entre os poderes Judiciário, Legislativo e Executivo, como é possível ver em decisões do Supremo Tribunal Federal (STF) que visam ‘cair por terra’ com medidas do Executivo e Legislativo.

Para ela, a missão do Poder Judiciário é, primordialmente, promover a paz social por meio de decisões que devem ser técnicas e absolutamente validadas pela lei. “Infelizmente, a omissão dos outros poderes leva o Judiciário a substituí-los por conta da inércia deles”, afirmou a desembargadora.

Histórico

Vânia possuí um vasto currículo e se sente preparada para essa nova jornada de sua carreira. Ela possui graduação em Direito pela Universidade Federal do Amazonas (Ufam), especialização em Legislação Ambiental, Direito Civil e Processo Civil e mestrado em Direito Ambiental Penal.

A promotora ingressou no MP-AM em 1998, trabalhou nas comarcas de Tefé e Silves, também na 44ª Promotoria de Justiça perante a 1ª Vara da Fazenda Pública Municipal, na 18ª Promotoria de Justiça de Defesa do Meio Ambiente e na 52ª Promotoria de Urbanismo.

Até esse momento, ela atuava como promotora da 28ª Promotoria de Justiça da Infância e Juventude – Infracional e agora vai atuar como desembargadora da Corte do Tribunal de Justiça do Amazonas.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja quais foram os ministros do STF que votaram contra a liberação de cultos e missas

Presidente da Aleam, Roberto Cidade, apresenta PL que permite empresas comprarem vacinas no AM

Vereadora Thaysa Lippy defende diagnóstico precoce para pessoas com Espectro Autista