Procuradores da República do AM questionam Fiocruz sobre produção da vacina AstraZeneca

Os procuradores do Distrito Federal, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, São Paulo e Sergipe também pediram esclarecimentos da Fiocruz

Manaus | AM | Com informações da assessoria de imprensa

Os procuradores da Repúblico do Amazonas enviaram, nesta sexta-feira (18), um ofício para a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) pedindo esclarecimentos sobre a vacina que será produzida pela instituição, que firmou parceria com o consórcio Oxford / AstraZeneca. Também assinaram o documento os procuradores da República do Distrito Federal, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, São Paulo e Sergipe.

Leia, na íntegra, o documento encaminhado à Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz)

O Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a Covid-19 prevê a aquisição de mais de 100 milhões de doses até julho e 30 milhões de doses por mês no segundo semestre de 2021, o que torna esse imunizante a principal aposta do Ministério da Saúde.

O Ministério Público Federal (MPF) pede à Fiocruz que informe se foram realizadas adaptações na sua planta para produção da nova vacina. Além disso, os procuradores perguntam qual a capacidade produtiva atual e se a fundação será capaz de atender as aquisições previstas pelo plano nacional de vacinação ou até ampliar a produção, caso ocorra aumento da demanda.

Outro ponto que a Fiocruz deve esclarecer diz respeito aos recentes questionamentos científicos sobre a validade dos testes clínicos e às reações adversas possivelmente associadas à vacina AstraZeneca. Esses problemas podem atrasar a aprovação emergencial ou o registro pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e, consequentemente, a produção do imunizante pela Fiocruz.

Além disso, os procuradores pedem esclarecimentos sobre a parceria firmada entre a Fiocruz e o consórcio Oxford / AstraZeneca, especialmente no que diz respeito à transferência da tecnologia. A instituição deve informar o prazo de vigência e detalhar cronograma e fases. A Fiocruz tem prazo de cinco dias para enviar as respostas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Menezes retoma viagens pelo interior do Estado por Apuí

Denúncias contra Prevent Senior foram manipuladas, diz diretor na CPI

Governo do Estado atua em duas frentes para investigar casos suspeitos de rabdomiólise no Amazonas