PF deflagra operação em quatro estados para coibir o tráfico internacional de pessoas e migração ilegal

A operação deflagrada nesta quinta-feira (2), está ocorrendo em Boa Vista (RR), em Tabatinga (AM), em Manaus (AM), em Rio Branco (AC), em São Paulo (SP) e em São José do Rio Preto (SP)

Manaus | AM ||Com informações da assessoria de imprensa

A Polícia Federal (PF) deflagrou, nesta quinta-feira (2), a Operação ‘Ganges’, com o objetivo de desarticular organização criminosa que teria movimentado R$ 50 milhões nos últimos 3 anos com o tráfico internacional de pessoas e a migração ilegal. Na operação, que acontece simultaneamente em mais quatro estados, estão sendo cumpridos 14 mandados de busca e apreensão, expedidos pela 4ª Vara da Justiça Federal de Roraima, sendo quatro em Boa Vista (RR), um em Tabatinga (AM), dois em Manaus (AM), dois em Rio Branco (AC), três em São Paulo (SP) e um em São José do Rio Preto (SP).

A investigação foi iniciada com a prisão em flagrante de um cidadão Bengalês, frente aos indícios de sua participação em organização criminosa, cuja atividade seria voltada à promoção de migração ilegal de bengaleses e outros indivíduos do oriente médio em território nacional.

O suposto chefe do esquema criminoso teve sua prisão decretada pela 4ª Vara da Justiça Federal, em Roraima, e, por não ter sido encontrado no País, em agosto de 2021, foi determinada a inserção de seu nome na Difusão Vermelha da Interpol, o que culminou em sua recente prisão na Colômbia, seguindo-se o processo de extradição para o Brasil.

PF deflagra operação contra grupo que cobrava em dólar para atravessar migrantes ilegais para Roraima

A investigação demonstrou que a organização criminosa cobrava até 20 mil dólares para trazer estrangeiros do oriente médio até ao Brasil, retendo seus documentos pessoais e mantendo-os em cárcere privado no Brasil, em razão do não pagamento de taxas extras durante a viagem. As vítimas eram coagidas a prestar falsa notícia de perda da documentação perante a Polícia Civil de Roraima (PC-RR). Assim como, estariam sendo privados de alimentos e de contato com o mundo exterior.

Destaca-se que a organização criminosa em questão teria caráter transnacional com atuação, ao menos, em Bangladesh, Suriname, Guiana e Brasil. O nome da operação remete ao Rio Ganges, no Oriente Médio, no local onde a Orcrim atua: Índia, Bangladesch, Paquistão, Afeganistão, dentre outros.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

'Modernização do setor elétrico inclui energia mais barata', diz Ipea

Senador Mecias de Jesus defende benefício para participantes de previdência complementar

Deputados amazonenses manifestam apoio a Marcelo Ramos durante Sessão

Nós usamos cookies para garantir que você tenha a melhor experiência em nosso site.