MPF-AM denuncia a PM e defende suspeito de envolvimento na morte de militares da COE

A juíza substituta da 9ª Vara Cível, Raffaela Cassia de Sousa, negou o pedido de habeas corpus feito pelo MPF e indeferiu a suspensão de operação da PM na região

Manaus | AM

Ao denunciar supostos abusos policiais, o Ministério Público Federal do Amazonas (MPF-AM) acionou a Justiça Federal pedindo salvo conduto para um dos suspeitos de envolvimento na morte de dois policiais militares na região do Rio Abacaxis, no dia 3 deste mês. O pedido do MPF, que citou “potenciais abusos de policiais militares”, foi feito com base em relatos do próprio suspeito de participação no duplo homicídio, o líder comunitário Natanael Campos da Silva.

Natanael é presidente da Associação Nova Esperança do Rio Abacaxis (Anera), que, de acordo com a Advocacia-Geral da União (AGU), age ilegalmente na localidade, utilizando arma de fogo em abordagens clandestinas a embarcações. Conforme a AGU, ao realizar “atividade de monitoramento e abordagem a embarcações”, a Anera vai contra a lei, “pois o ato ilícito “consiste em poder de polícia, o que só pode ser exercido pelo Estado”.

A juíza substituta da 9ª Vara Cível, Raffaela Cassia de Sousa, negou o pedido de habeas corpus feito pelo MPF. Na decisão, a juíza afirma que apesar de o Ministério Público não ter escrito o termo habeas corpus no pedido, “o nome dado à pretensão não desnatura a natureza do pedido de salvo conduto”, o que não é competência da vara cível.

Na mesma decisão, a juíza também indeferiu pedido da Defensoria Pública da União (DPU), que queria a suspensão de operação da Polícia Militar na região do Rio Abacaxis. Como a DPU devia saber, a competência para esta matéria é do judiciário estadual.

Ação atabalhoada

Na ação, o Ministério Público Federal (MPF-AM) pediu que a Polícia Federal apure “os supostos atos ilícitos praticados na Região do Rio Abacaxis” na operação deflagrada pela Secretaria de Estado de Segurança Pública (SSP-AM).

De acordo com a AGU, não compete à Polícia Federal fazer o controle externo da Polícia estadual e, na verdade, a atuação da PF na área deveria ocorrer em conjunto com o efetivo do Estado para localizar responsáveis pelas mortes dos militares e para repressão ao tráfico de drogas e outros delitos. Segundo a AGU, os únicos crimes no local, por ora, são o” assassinato de policiais, tentativa de homicídio, cultivo de planta do gênero cannabis”.

Na decisão, a juíza Raffaela Sousa disse que o pedido não é competência do juízo cível, e afirmou que o próprio Ministério Público tem poderes investigatórios, “de forma que essa medida (investigação) pode ser por ele adotada”.

Sede do Ministério Público Federal do Amazonas (Imagem: Divulgação)

Prisão

A Polícia Civil do Amazonas deflagrou, nesta segunda-feira (17), operação para prender membros de uma organização criminosa pela participação no duplo homicídio de policiais militares da Companhia de Operações Especiais (COE).

Entre os presos está o presidente da Anera, que comandava abordagem armada às embarcações locais e, no dia do duplo homicídio, repassou informações sobre os policiais para Bacurau.

Segundo o delegado Cícero Túlio, que coordena as investigações sobre os crimes na região, testemunhas relataram a atividade criminosa exercida pelo grupo no local, que além do cultivo de entorpecente, andavam ostensivamente armados e saqueavam embarcações.

Confira a íntegra da decisão:

Leia a decisão na íntegra

 

Uma resposta

  1. Brincadeira em MPF vcs só podem está de brincadeira com a sociedade, morre 2 policiais em confronto e os piores bandidos são os polícias, eita inversão de valores , por isso que esse país tá desse jeito, pela incompetência de vcs , onde criminosos são vítimas, e vítimas são criminosos , vcs só fazem isso porque vcs tem segurança 24 horas ,não acompanha as operações, eu quero ver é vcs tirando a Bunda da cadeira e ir negociar a paz com os criminosos .Mas isso só vai mudar quando vcs se tornarem vítimas , quando os filhos de vcs serem torturados, quando vcs mesmo ser alvejado por criminosos aí vcs vão sentir na pele o que o cidadão de bem SENTE. Tá na hora da polícia deixar entregue mesmo , não combater mais o crime , deixar entregue mesmo deixar virar o terror . Mas eu penso no cidadão de bem que é justamente ele que vai pagar a conta e sofrer mais do que já sofre.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

TCE-AM multa ex-secretária do Fundo Municipal de Saúde de Barcelos

Antes de assinar ordem de serviço da BR-319, ministro passará por Rondônia e Humaitá

Ao lado de Alberto Neto, Bolsonaro diz que a Amazônia 'poder ser a independência econômica do País'