MP-AM prorroga investigação sobre construção de muro em propriedade de Amazonino Mendes

A obra, que ocorreu entre 2017 e 2018, período em que Amazonino Mendes era governador do Estado, é alvo de investigação que apura se a construção foi realizada com o uso de verbas públicas

Manaus | AM

O Ministério Público do Amazonas (MP-AM) prorrogou, por mais 1 ano, as investigações para apurar o possível ato de improbidade administrativa na construção de um muro de arrimo na propriedade do ex-governador do Estado, Amazonino Mendes. A portaria de prorrogação foi publicada no Diário Oficial Eletrônico do órgão ministerial, na edição desta quarta-feira (24).

O documento de prorrogação do inquérito civil foi assinado pelo promotor Edgar Maia de Albuquerque Rocha, da 70ª Promotoria de Justiça Especializada na Defesa e Proteção do Patrimônio Público (PRODEPPP). Ele considerou haver a necessidade de realização de novas diligências para complementar a investigação, que já tramita há 1 ano.

O Inquérito Civil n. 06.2018.00002002-2 apura a construção de um muro de arrimo, construído na propriedade do ex-governador do Amazonas, Amazonino Mendes, no bairro Tarumã, zona norte de Manaus.

A empresa MCW Construções, Comércio e Terraplanagem teria sido a responsável pela construção do muro. Conforme o promotor, a construtora não encaminhou a documentação solicitada pelo órgão ministerial.

Entenda o caso

A construção do muro ocorreu entre os anos de 2017 e 2018, quando Amazonino Mendes era governador do Amazonas.

À época, a empresa MCW Construções, Comércio e Terraplanagem mantinha um contrato milionário com o Estado.

O Ministério Público do Amazonas, por meio do inquérito civil, apura se a construção foi realizada com o uso de verbas públicas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Senadores Omar, Plínio e Braga votaram a favor da criação da CPI da Covid-19

AO VIVO | Saiba quais ministros do STF votaram contra a liberação de cultos e missas na pandemia

Roberto Cidade autorizou o gasto de mais de R$ 12 milhões com contratos na Aleam