Ministério da Economia barra expansão da LG na Zona Franca; bancada federal vai recorrer da decisão

A decisão de 'barrar' a LG foi tomada durante a reunião do Conselho de Administração da Suframa (CAS), realizada nesta quarta-feira (28)

Manaus | AM

O deputado federal Marcelo Ramos (PL-AM) e o senador Plínio Valério (PSDB-AM), comentaram a decisão do secretário Especial de Produtividade, Emprego e Competitividade (Sepec), Carlos Costa, que, segundo eles, rejeitou “na marra” o projeto de expansão da LG, que pretendia investir R$ 160 milhões na Zona Franca de Manaus (ZFM), com a expansão de suas atividades.

A decisão foi tomada durante a reunião do Conselho de Administração da Suframa (CAS), realizada nesta quarta-feira (28). A Sepec faz parte do Ministério da Economia (ME). Segundo os parlamentares, Carlos Costa estava na reunião do CAS representando o ministro do ME, Paulo Guedes.

O deputado Marcelo Ramos considerou a atitude como algo sem precedentes e altamente prejudicial aos interesses da Zona Franca de Manaus, à economia do Estado e aos empregos dos amazonenses.

“O secretário, que nessa reunião representava o ministro da Economia, Paulo Guedes, simplesmente retirou, na marra, o projeto técnico-econômico em que a LG pedia autorização do conselho para produzir, na sua planta de Manaus, microcomputadores e monitores de vídeo. Essa decisão unilateral do secretário contraria o parecer prévio pela aprovação dos técnicos da Suframa e também o parecer da reunião prévia do conselho de administração da Suframa”, disse.

Além de impedir o aumento da produção, Ramos disse que a decisão também reprime o investimento de R$ 160 milhões em pesquisa e desenvolvimento, na qualificação de mão de obra e na geração de novos empregos e desenvolvimento da região.

“Nós não vamos aceitar esse tipo de provocação com a Zona Franca de Manaus. Todos os outros conselheiros manifestaram-se pela aprovação do projeto, e o sr. Carlos Costa retirou na marra, como se não existisse o povo do Amazonas, como se não existisse os interesses dos empregos pros nossos amazonenses, no período de pandemia e de tanto sofrimento. Nós exigimos que o secretário, agora, aprove o projeto ad referendum da próxima reunião do conselho. Porque o Amazonas não pode esperar mais nem um dia pra ter esses investimentos”, comentou.

O senador Plínio Valério também manifestou-se contra a decisão do secretário Carlos Costa. O parlamentar afirmou que o titular da pasta simplesmente retirou o projeto da pauta, pois percebeu que o mesmo seria aprovado.

“Já estava tudo com parecer aprovado. Retirou na marra. Isso é contra a lei, uma truculência. É inadmissível. Das duas, uma: ou o sr. Carlos Costa, que representava o ministro da Economia, odeia a Zona Franca, e por isso é contra os amazonenses; ou está a serviço do governo de São Paulo e da Samsung, que não quer que a LG traga a sua fábrica de São Paulo para cá”, denunciou.

Valério ressaltou que está a serviço do povo do Amazonas e que fará o que for possível para reverter a decisão, para que o projeto da LG seja liberado. “Eu quero dizer a ele, ao ministro Paulo Guedes, ao seu xerimbabo, que nós do Amazonas não tememos. E se eles estão a serviço da Samsung, nós estamos a serviço do Amazonas. E faremos o que for possível para reverter, para que ele libere esse projeto o quanto antes. Se ele é truculento, nós vamos mostrar o que nós representamos para o Amazonas”, finalizou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Ministério da Economia publica regra que permite elevar salários de Bolsonaro e Mourão

Wilson Lima entrega 3 toneladas de alimentos na Zona Sul de Manaus

Aproximação de Dermilson Chagas e Eduardo Braga fica explícito nas redes sociais