Marcelo Ramos pede união nacional para que Bolsonaro sancione Lei Orçamentária 2021

Para o deputado e vice-presidente da Câmara, Marcelo Ramos, é necessário união nacional e que o interesse do povo brasileiro seja colocado como prioridade

Manaus | AM

“Estamos há quase quatro meses sem orçamento”, afirmou o deputado federal Marcelo Ramos (PL) ao cobrar que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) sancione a Lei Orçamentária 2021. O prazo para sanção encerra no próximo dia 22 de abril. O parlamentar também chamou a atenção para os números registrados no País durante a pandemia do novo coronavírus (Covid-19).

Para o deputado e vice-presidente da Câmara, é necessário união nacional e que o interesse do povo brasileiro seja colocado como prioridade, para que sejam realizados investimentos na área da saúde, na recuperação de empresas, no combate à fome e na reestruturação da indústria nacional.

“É necessário, nesse momento, um esforço de união nacional pela aprovação do orçamento. E só há um caminho para que esse esforço tenha êxito: deixar em segundo plano os interesses do parlamento, do presidente da república, do ministro da Economia, do ministro do Desenvolvimento Regional”, disse.

Ramos chamou a atenção para os números e impactos que a pandemia tem causado em diversos setores no Brasil. “Esse País há quase quatro meses sem orçamento é o país que se aproxima da marca de 350 mil dos seus filhos e filhas mortos pela pandemia. É o país que se aproxima da trágica marca de quase quatro mil mortos por dia pela pandemia. É o país de 14 milhões de desempregados, de 19 milhões de brasileiros e brasileiras com fome, e 125 milhões em insegurança alimentar”, pontuou.

O presidente da República tem até o dia 22 de abril para sancionar o orçamento. Caso o prazo seja descumprido, a matéria será invalidada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Wilson Lima entrega 3 toneladas de alimentos na Zona Sul de Manaus

Aproximação de Dermilson Chagas e Eduardo Braga fica explícito nas redes sociais

O desafio das deputadas da Aleam para conciliar política e maternidade