Juristas afirmam que pedidos de impeachment, no Amazonas, são meramente políticos

De acordo com matéria publicada pelo site Dia a Dia On-line, advogados no Amazonas afirmam que não há motivações jurídicas para um eventual afastamento do governo nos pedidos de impeachment

Manaus | AM

Juristas no Amazonas afirmam que não há motivações jurídicas para um eventual afastamento do governador Wilson Lima (PSC) nos pedidos de impeachment apresentados na Assembleia Legislativa do Amazonas (ALEAM), e que as consequências seriam danosas economicamente e politicamente para o Estado. As informações constam em matéria publicada pelo site Dia a Dia On-line, neste domingo (28).

Segundo os juristas, o processo de impeachment tem uma peculiaridade muito grande: quem investiga, julga e condena autoridades por crime de responsabilidade é o Poder Legislativo e não o Poder Judiciário necessariamente, diferente de um processo contra crimes comuns. Isso significa que a ALEAM tem os papéis de acusador, de juiz e de júri, tudo ao mesmo tempo.

Segundo a matéria, somente este ano, sete pedidos de impeachment contra Wilson Lima foram apresentados na Casa Legislativa. No ano passado, foram seis. No total, há 13 pedidos tramitando na Procuradoria da Casa, que faz a análise jurídica dos pedidos.

Conforme o advogado e professor de Direito Constitucional da Universidade do Estado do Amazonas (UEA), Neuton Alves de Lima, do ponto de vista jurídico não há motivações nos pedidos de impeachment apresentados na ALEAM que justifiquem um eventual afastamento do governador.

“Sob o ponto de vista jurídico não há motivação, são matérias já requentadas, essas matérias já vêm se arrastando há muito tempo. O fato de ter havido o recrudescimento da pandemia nesses meses de janeiro e fevereiro, isso não é motivação, isso não é um ato que se deu por conta dele simplesmente”, considera.

O professor de direito também reforça que as consequências de um eventual processo de impeachment serão desastrosas para o Amazonas. “As piores possíveis. Porque a gente está em um momento, voltado todas as energias, todo foco, toda atenção para combater uma pandemia no Estado, medindo o momento de se restringir a movimentação das pessoas pelas ruas, aquele decreto do lockdown e iria desconfigurar toda essa atenção para um processo de impeachment que iria se arrastar aí por no mínimo seis, sete meses e esquecendo o principal que é cuidar da vida das pessoas, cuidar da questão da vacina. Então, as consequências seriam piores nesse aspecto e fora os interesses políticos”, explicou.

Segundo o professor, o impeachment é um processo jurídico, mas dirigido por um órgão político, o que lhe dá característica política devido ao sujeito. Em outras palavras, o conteúdo do processo é todo jurídico, mas os sujeitos, julgados e julgadores, são políticos, assim como o efeito da condenação, que, apesar de ser jurídico, também produz uma gravíssima consequência política e administrativa, a destituição do cargo, conforme art. 78 da Lei 1.079/1950.

Deste modo, ainda que a decisão seja tomada por políticos, eles precisam ser muito bem assessorados por juristas, tendo em vista que é preciso respeitar os conceitos do direito, a começar pelos princípios, como o da presunção de inocência e da adequação social.

“Um afastamento vai atender o interesse de uma pessoa, por exemplo, que quer se cacifar politicamente para as próximas eleições? No meu entendimento não há motivação. Mas, se eles quiserem que haja, há sim. Porque o processo é político e jurídico”, afirmou.

Política

Para o cientista político, Helso Ribeiro Filho, também advogado, um impeachment neste momento que o Estado está – com a pandemia do novo coronavírus, seria danoso para a economia e demais setores.

“Por conta desta pandemia, o Estado do Amazonas, você observa que turismo nós não temos, atividades culturais mínimas, atividades econômicas com uma retração de 6% mais ou menos, até um pouco mais. Uma unidade federativa, um estado da federação que está com um processo de impeachment ou que afasta seu governador isso gera uma crise não só no campo político mas também econômico. Então qualquer pedido de impeachment, eu acredito que é um passo a trás”, afirmou.

Helso esclarece que o resultado das eleições é uma das principais manifestações da soberania popular e que Wilson Lima foi eleito pelo voto popular. Para ele, em 2022, a sociedade poderá decidir se aprovou ou não a gestão dele por meio da eleição estadual.

“Eu não quero tirar a liberdade de que alguém protocole o pedido de impeachment, é um direito, mas eu vejo faltando 1 ano e 10 meses para a acabar o mandato, então considero um retardo em investimentos para o Amazonas, para o desenvolvimento até social do Estado, essa é a minha visão. Portanto, ainda que as pessoas que ingressaram com o pedido, eu acho que é um direito deles, mas não é o melhor momento para esse tipo de pedido”, afirmou.

O cientista político considera, ainda, que a crise na Saúde com a pandemia é uma realidade em todo o País. “Não só o Amazonas, mas principalmente o Amazonas, o Brasil atravessa um período cruel, pessoas morrendo. Eu nunca vi nos meus quase 58 anos, eu destinar tanto do meu tempo a desejar pêsames, condolências a pessoas, muita gente morrendo. Vejo que é um momento de irmanarmos, sermos solidários aos alheios e tentarmos envidar esforços para combater esta pandemia, não é momento para esse tipo de situação”, completou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Tony Medeiros assume presidência da Comissão de Turismo na ALEAM

MP-AM quer retorno seguro às aulas no município de Manaquiri

Governo do AM divulga lista de membros do Conselho Curador da UEA