Investigado pela PF e envolvido em escândalos, Carlos Almeida ‘desaparece’ da vice-governadoria

No início do mês de outubro, Carlos Almeida foi alvo de uma operação da Polícia Federal que apura possíveis irregularidades na compra de insumos de combate a Covid-19

Manaus | AM

Desde que publicou carta pedindo exoneração da Casa Civil, no mês de maio deste ano, em meio a pandemia do novo coronavírus (Covid-19), o paradeiro do vice-governador do Amazonas, Carlos Almeida, que até então detinha ‘poderes’ de um segundo chefe do Poder Executivo Estadual, é desconhecido por parte do governo do Amazonas, conforme informações repassadas à equipe do site O PODER, nesta quinta-feira (22).

Ele, que estava ‘longe dos holofotes’ desde então por não aceitar as limitações referentes ao seu cargo, voltou a ser assunto, no início do mês de outubro, ao se tornar um dos principais alvos da operação ‘Sangria’, deflagrada pela Polícia Federal (PF), que apura possíveis irregularidades na compra de insumos de combate a Covid-19. A casa do vice-governador foi minuciosamente revistada e seu celular apreendido.

Carlos Almeida é alvo de operação da Polícia Federal

Carlos Almeida, que é defensor público, está desde o mês de maio sem despachar e sem cumprir suas funções como vice-governador, de acordo com registros governamentais encaminhados à equipe de redação d’O PODER. Na carta, ele chegou a ressaltar que iria se retirar da Casa Civil “para o ofício inerente à vice governadoria”, o que não ocorreu até o momento.

Mesmo ‘afastado’ por opção, Almeida tentou, ao longo dos últimos meses, manter ‘braços’ dentro do governo. Prova disso, foi a luta que travou – e perdeu – contra o governador Wilson Lima, ao tentar exigir cargos para a vice-governadoria. De acordo com o presidente do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM), desembargador Domingo Chalub, cabe ao chefe do Poder Executivo Estadual a organização e funcionamento da administração pública.

Não satisfeito, Carlos Almeida chegou a recorrer da decisão estadual, no Superior Tribunal de Justiça (STJ), onde sofreu outra derrota. Diante dos fatos, o ministro Humberto Martins disse que “não estão demonstrados os requisitos necessários para a concessão da medida liminar pugnada na presente reclamação” e que “não há indicativo seguro de que não seja possível aguardar a manifestação do presidente do Tribunal de Justiça do Amazonas para que seja tomada a decisão à luz do contraditório e da ampla defesa”.

Carlos Almeida perde, no STJ, ação contra o Tribunal de Justiça do Amazonas

Nesta semana, mais precisamente na noite desta terça-feira (20), outro integrante da família Almeida passou a fazer parte dos ‘holofotes’ de maneira negativa. Tarciana Almeida, mulher do vice-governador, protagonizou bate-boca, com direito a inúmeros palavrões, com a advogada e candidata a vereadora, Marlúcia Guimarães Almeida.

Nas imagens gravadas por um amigo da advogada, identificado apenas como Dannielsson, Marlúcia aparece pedalando, quando é abordada por Tarciana. A mulher de Carlos Almeida começa então a questionar Marlúcia sobre algumas declarações que ela teria feito sobre o vice-governador em suas redes sociais, a respeito da investigação da operação ‘Sangria’.

Sem conseguir se controlar, Tarciana ‘fecha’ Marlúcia e as duas começam a troca de xingamentos. A mulher de Carlos Almeida alega que foi empurrada por Dannielsson e que foi alvo de um soco na boca.

Mulher de Carlos Almeida ‘arma’ confusão em via pública com advogada

A equipe do site O PODER tentou entrar em contato com a assessoria de imprensa do vice-governador Carlos Almeida por meio dos telefone (92)3303-8321, 8320 e 8324, mas não obteve sucesso.

Uma resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Portugal reconhece certificados de vacinação emitidos pelo Brasil

Governo federal cria programa para expandir telecomunicações na Amazônia

Cartórios eleitorais do interior do AM voltam a atender presencialmente