Fausto Jr. reconhece que não havia indícios suficientes para indiciar Wilson Lima e demais governadores no âmbito da CPI da Saúde

A afirmação do deputado Fausto Jr. foi feita durante depoimento à CPI da Pandemia no Senado Federal

Manaus-AM- O deputado estadual Fausto Júnior (MDB), relator da CPI da Saúde instaurada em 2020, no âmbito da Assembleia Legislativa do Amazonas (ALE-AM), reconheceu que não havia motivos para indiciar os governadores que geriram o Estado, a contar de 2011, apenas a partir da comprovação de pagamentos de processos indenizatórios na área da saúde. Entre eles, está o atual chefe do Executivo, Wilson Lima e o presidente da CPI da Pandemia no Senado, senador Omar Aziz (PSD).

A afirmação foi feita durante depoimento à CPI da Pandemia no Senado Federal, após o deputado ter sido confrontado por Omar Aziz (PSD), de que a simples apresentação dos volumes pagos através de processos indenizatórios, ano a ano, não configuraria crime contra administração pública. Além disso, governadores não os ordenadores de despesas das pastas vinculadas ao Executivo.

Omar foi governador do Estado, entre 2010 e 2014, e parte dos pagamentos feitos durante sua gestão, entrou no radar da CPI. A comissão estadual apurou informações da Saúde no período de 2011 a 2020. Indagado porque não pediu, enquanto relator da CPI, o indiciamento de Wilson Lima, ele afirmou que por essa lógica, teria que pedir também o de Omar Aziz. Mas, ao final da argumentação, reconheceu que pagamentos indenizatórios são permitidos na administração pública.

Fausto também foi confrontado por Omar Aziz quanto à aprovação das contas de governo durante a gestão do então governador, no âmbito do Tribunal de Contas do Amazonas (TCE). As contas de Omar foram aprovadas pela conselheira Yara Lins, servidora de carreira do TCE e mãe de Fausto Souza.

A CPI da Saúde no Amazonas foi instaurada em 2020, ano em que o Estado enfrentou o primeiro pico da pandemia da Covid-19. O Estado foi a primeira unidade da Federação a amargar os impactos da pandemia no Brasil, tendo adotado medidas como a ampliação de leitos, a abertura de hospital de campanha para absorver pessoas com casos moderados da doença, compra de insumos e Equipamentos de Proteção Individual (EPIs), equipamentos, reforço nos recursos humanos, entre outros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

MPAM representa contra vereador de Manacapuru por quebra de decoro parlamentar

Blanco discutia venda de vacinas para empresas sem autorização legal

Vereador Peixoto subscreve Projeto de Lei que prevê reforço escolar em Manaus