Em pronunciamento, Carlos Almeida acusa Globo e não responde jornalistas

Carlos Almeida se recusou a responder os jornalistas e a imprensa foi impedida de sair do prédio onde estava, após o pronunciamento do vice-governador

Manaus | AM

O vice-governador do Amazonas, Carlos Almeida, fez graves acusações contra a Rede Globo e não respondeu aos questionamentos do jornalistas que se fizeram presente, nesta quarta-feira (28), em pronunciamento convocado por ele, no Edifício Cristal Tower, Avenida Jornalista Umberto Calderaro Filho, bairro Adrianópolis, zona centro-sul de Manaus.

Almeida está sendo investigado pela Polícia Federal (PF), dentro da operação ‘Sangria’, que apura possíveis irregularidades na compra de insumos de combate a Covid-19. Ele havia marcado o pronunciamento por não ter falado, até então, sobre sua saída do comando da Casa Civil, em maio deste ano, e também sobre a operação policial.

Investigado pela PF e envolvido em escândalos, Carlos Almeida ‘desaparece’ da vice-governadoria

Sem trocar muitas palavras com a imprensa, ele agradeceu a presença de todos e leu, por cerca de 15 minutos, uma ‘carta’ onde se diz inocente das acusações de suposto desvio de verba e de improbidade administrativa. “Em nenhum momento determinei compra a fornecedores específicos e nem respiradores da Sonoar “, disse ele.

Como já havia adiantado o site O PODER, Almeida não frequenta a sede do Governo do Amazonas, onde deveria estar despachando e cumprindo suas obrigações, desde a segunda do mês de maio.

Ele acusou, ainda, a Rede Globo de manipular matéria veiculada nacionalmente sobre a operação da Polícia Federal e fazer especulações sobre uma lancheira carregada por ele durante reuniões fora do Palácio do Governo. “Há 8 anos controlo minha alimentação e todos sabem que ando com minha lancheira, como muitos de vocês já viram. Não há nada de ilegal nisso”.

Ao finalizar o pronunciamento, Almeida foi questionado pela jornalista Rosiene Carvalho sobre as investigações. Ele então limitou-se a dizer que era apenas uma pronunciamento e que estava obedecendo os protocolos preconizados pelos órgãos de Saúde, deixando a sala da reunião.

Os jornalista, então, saíram atrás de Almeida, mas foram impedidos de deixar a sala onde estavam. Houve gritaria e os elevadores também foram bloqueados. O vice-governador deixou o prédio sem mais detalhes e não esclareceu os detalhes sobre denúncia contra ele.

A jornalista Rosiene Carvalho revelou que foi agredida por um dos seguranças do vice-governador. Ela adiantou que está em tratativas com Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Amazonas (SJPAM).

Uma resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Tony Medeiros se irrita com colegas e pede para vice da ALEAM encerrar sessão

Licenciamento para mercado de gás natural proporciona geração de renda e emprego no Amazonas

Estados e municípios tiveram superávit de R$ 42,9 bilhões em 2020, o maior da série histórica