Desembargador nega liminar e decisão de suspensão do comércio não essencial segue em vigor, no AM

De acordo com o desembargador Délcio Luis Santos, é "inviável a apreciação da insurgência pela via do Mandado de Segurança" tendo em vista que Ação Civil Pública é sujeita a recurso próprio

Manaus | AM

O desembargador Délcio Luis Santos, do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM), negou, neste domingo (3), o Mandado de Segurança impetrado pela Associação Panamazônia que pedia a suspensão da decisão proferida, no último sábado (2), de forma monocrática pelo juiz Leoney Figliuolo Harraquian que determinou o fechamento do comércio não essencial, por 15, no Amazonas.

No processo de n. 4000010-56.2021.8.04.0000, a associação afirma que “a decisão interlocutória do juízo plantonista de 1º grau tira da população o direito ao trabalho e à livre iniciativa e, ante as
peculiaridades do Estado do Amazonas, resultará em altos índices de desemprego, impedindo, assim, que expressiva parcela da população, em especial aqueles que dependem do comércio e atividades informais, obtenha seu sustento diário, violando desta forma a dignidade da pessoa humana”.

Juristas debatem decisão do TJAM que determina fechamento do comércio, no Amazonas, por 15 dias

Diz, ainda, que “muito embora a pandemia ocasionada pelo Covid-19 traga consigo justificativas para eventuais flexibilizações de direitos constitucionais, tal circunstância não deve servir de pretexto para abalar a dignidade da pessoa humana, de maneira que a imposição de medidas mais restritivas ao funcionamento dos serviços e do comércio, como aquelas contidas no pronunciamento judicial ora impugnado, configuraria verdadeira medida contraproducente ao adequado combate à pandemia no Estado do Amazonas”.

Leia, na íntegra, a decisão do desembargador Délcio Luis Santos

Para o desembargador a decisão interlocutória proferida, no último sábado, “nos autos da Ação Civil Pública n. 0600056-61.2021.8.04.0001, encontra-se sujeita a recurso próprio, sendo, portanto, inviável a apreciação da insurgência pela via do Mandado de Segurança”, tendo como base uma resolução do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e uma decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

David Reis diz que vereadores decidirão se licitação das 41 pick ups vai continuar na CMM

Bolsonaro afirma que Governo Federal zerou impostos de medicamentos

Marcelo Ramos afirma que aumento do IOF é uma maldade com o povo brasileiro