Dermilson critica Segurança, mas ‘se cala’ sobre consultoria milionária na gestão de Amazonino Mendes

Quando era líder de Amazonino Mendes, na ALEAM, o deputado Dermilson Chagas se calava sobre o assunto e, até hoje, não apresentou dados e informações sobre a contratação da empresa internacional

Manaus | AM

Durante pronunciamento, nesta terça-feira (2), na Assembleia Legislativa do Amazonas (ALEAM), o deputado de oposição, Dermilson Chagas (Podemos), criticou a gestão da Secretaria de Segurança Pública do Amazonas (SSP-AM). No entanto, na época em que o parlamentar era líder do ex-governador Amazonino Mendes, na Casa Legislativa, defendeu ‘com unhas e dentes’ a consultoria milionária e fracassada que a empresa do ex-prefeito de Nova York, Rudolph Giuliani, a Security e Safety, que não mudou em nada os índices de criminalidade do Estado.

“Infelizmente, Tabatinga, como Manaus e todos os municípios, estão à deriva da Segurança Pública. Não temos segurança no nosso Estado”, disse Chagas, que também citou o secretário de Segurança Pública do Estado, coronel Louismar Bonates.

A consultoria, que custou R$ 1,6 milhão ao Estado e tinha previsão de custar R$ 5 milhões, foi alvo de um inquérito, por parte do Ministério Público do Amazonas (MP-AM), para apurar a dispensa de licitação do contrato com a empresa de Giuliani.

Pedido

Em agosto do ano passado, a deputada Joana Darc (PL) cobrou Dermilson Chagas a apresentar as ações de Segurança e o contrato que o Estado teve com a empresa de Giuliani, porém, até hoje o parlamentar não apresentou os dados ao Poder Legislativo.

O deputado Wilker Barreto (Podemos), que raramente fala sobre Segurança Pública, discursou no pequeno expediente da ALEAM sobre o assunto. Contudo, desde 2019  o parlamentar só tem um Projeto de Lei voltado ao tema no Sistema de Apoio de Processo Legislativo (SAPL).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Senadores Omar, Plínio e Braga votaram a favor da criação da CPI da Covid-19

AO VIVO | Saiba quais ministros do STF votaram contra a liberação de cultos e missas na pandemia

Roberto Cidade autorizou o gasto de mais de R$ 12 milhões com contratos na Aleam