Dermilson Chagas denuncia guarita de meio milhão construída sem licitação por Amazonino Mendes

A construção da obra, que custou R$ 493 mil aos cofres públicos, ocorreu durante a gestão de Amazonino Mendes da qual Dermilson Chagas era líder do governo, na ALEAM

Manaus | AM

O deputado estadual Dermilson Chagas (Podemos) se embaraçou na sessão desta quinta-feira (4), na Assembleia Legislativa do Amazonas (ALEAM), ao tentar fazer críticas ao Governo do Amazonas. Na oportunidade, o parlamentar acabou criticando uma obra executada sem licitação e que teve pagamento aprovado na gestão do ex-governador Amazonino Mendes, da qual ele era líder na Casa Legislativa.

A obra criticada começou, em 2017, na Secretaria de Estado de Educação (Seduc), ainda na gestão do ex-governador José Melo. Em 2018, o ex-governador Amazonino Mendes reconheceu a dívida de R$ 493 mil. De acordo com o Portal da Transparência, a empresa Matrix Construção e Conservação teve o pagamento autorizado em 23 de agosto de 2018.

À época, Dermilson era líder de Amazonino na ALEAM e não teceu nenhuma crítica ao reconhecimento de dívida autorizado pelo então secretário de Educação, Lourenço da Silva Braga. Com a autorização de pagamento por reconhecimento de dívida dada pelo secretário, a Secretaria de Estado de Fazenda (Sefaz) fez o pagamento em março de 2019.

Ao fazer a denúncia, o deputado mostrou imagens da fachada que tem a identidade visual do governo passado e que ele não conseguiu reconhecer que se tratava de uma obra antiga. Na tentativa de atacar Wilson Lima, o ex-líder do governo acabou lembrando que não executava seu papel de fiscalizar o executivo estadual com tanto afinco quanto deveria e mostrou seu despreparo como oposição.

‘Puxão de orelha’

Logo em seguida, a deputada Alessandra Campêlo, da tribuna da ALEAM, deu um ‘puxão de orelha’ no deputado Dermilson Chagas. A parlamentar salientou “que a obra foi executada pelo ex-governador Amazonino Mendes”, quando ele era líder do governo. “Ela (empresa) foi contratada sem licitação, com dispensa de licitação, foi executada, fiscalizada e paga pelo governo do Amazonino Mendes, quando o senhor era o fiscal, apoiador, líder do governo”, lembrou ela.

Alessandra destacou que Dermilson só relembrou da situação da guarita 3 anos depois da saída de Amazonino do governo. “A gente tem que saber o que fala. Semana passada falaram de um contrato de xerox. Primeiro que não é contrato de xerox, segundo o contrato também foi feito pelo Amazonino Mendes. As pessoas não tem mais o que falar e falam coisas de outros governos colocando a culpa no governo atual. O dinheiro da guarita da Seduc pode ser usado no interior, desde que o deputado Dermilson faça um pedido para o Amazonino vir aqui devolver o dinheiro de uma empresa que ele contratou sem fazer licitação”, finalizou.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Senadores Omar, Plínio e Braga votaram a favor da criação da CPI da Covid-19

AO VIVO | Saiba quais ministros do STF votaram contra a liberação de cultos e missas na pandemia

Roberto Cidade autorizou o gasto de mais de R$ 12 milhões com contratos na Aleam