Comunidades indígenas de Amaturá protocolam denúncia contra o prefeito eleito José Eufrásio

De acordo com fontes ouvidas pelo site O PODER, José Eufrásio, o ‘Zezinho’, teria praticado supostos atos ilegais durante o processo eleitoral, como compra de votos e oferta de bebidas alcoólicas, tijolos e motores para indígenas

Manaus | AM

Integrantes de comunidades indígenas do município de Amaturá (distante 909 quilômetros de Manaus) ingressaram com uma denúncia, nesta segunda-feira (7), na 22ª Zona Eleitoral, em que pedem providências acerca das eleições na região. Isto porque, de acordo com o documento ao qual o site O PODER teve acesso, o prefeito eleito José Eufrásio (Pros), o ‘Zezinho’, teria praticado uma série de ilegalidades durante o processo eleitoral deste ano. Dentre elas, suposta compra de votos, além de distribuição de bebidas alcoólicas, tijolos e motores para indígenas.

O prefeito eleito de Amaturá, José Eufrásio (Imagem: Reprodução)

Conforme fonte entrevistada pela equipe de reportagem, que preferiu não ser identificada, ‘Zezinho’, juntamente com seu vice Evandro Lopes (Avante), distribuía as bebidas alcoólicas durante os eventos partidários nas comunidades, com o objetivo de incitar possíveis brigas com integrantes de partidos concorrentes. “Ele levava secretamente (a bebida) para que a juventude da área indígena ‘fizesse’ violência contra outros partidos, para querer briga com outro partido e obrigar a votar nele”, disse a fonte.

Evento ocorrido em comunidade no município de Amaturá sem protocolo para combater o novo coronavírus

No documento, assinado por caciques, agentes de saúde, motoristas e agricultores, consta que as comunidades “repudiam a atitude desse candidato com os indígenas”, pois ambos (‘Zezinho’ e o vice) teriam utilizado de “irregularidades para ter o voto dos nossos irmãos, desrespeitando as leis indígenas e os decretos da Justiça Eleitoral, do município, da Declaração da Onu (Organização das Nações Unidas) e da OIT (Organização Internacional do Trabalho)”.

Ainda segundo a fonte do site O PODER, ‘Zezinho’ teria distribuído tijolos e motores pelas comunidades. “Compraram votos na Cordeiro de Deus, na Nova Itália e na Nova Galiléia (todas comunidades). Distribuíram um milheiro de tijolo, que está lá, e motor ‘rabetão’ de 13hp. O pessoal dele que fez isso”, afirmou.

Leia a denúncia registrada na 22ª Zona Eleitoral

José Eufrásio tem 50 anos, teve 36,22% dos votos e declarou mais de R$ 3,5 milhões em bens. No site DivulCand, criado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), consta que ‘Zezinho’ possui carro, flutuante, ponto comercial, terrenos, balsa de ferro, embarcação e um porto avaliado em R$ 1 milhão. Sua coligação, formada apenas pelo Pros e Avante tinha como lema ‘Reconstruindo Amaturá Com os Filhos da Terra’. “Ele venceu a eleição não apenas pelo pessoal dele, mas pelo vice que todo santo dia estava nas comunidades falando mentiras e comprando votos”.

Outra fonte ouvida pela equipe de reportagem disse, ainda, que espera que Ministério Público Eleitoral (MPE-AM) tome ciência da denúncia e que uma nova eleição possa ser convocada. “Já que existe a proibição de compra de votos, isso tem que entrar em ação para ‘desvalorizar’ essa eleição. Os concorrentes não comprar nenhum voto. O povo está revoltado! Até os próprios eleitores dele estão revoltados. Essa é a revolução do povo”, finalizou.

A equipe d’O PODER tentou entrar em contato com José Eufrásio por meio do telefone (97) 99173-84XX, para saber se ele já tinha ciência da denúncia, mas até o fechamento desta matéria não obteve resposta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Ação entre Ministério Público e Defensoria do Amazonas, pede transferência de bebê indígena de 2 meses com Covid-19, em Parintins

PGR pede ao STF abertura de inquérito para apurar crimes de Pazuello contra a Saúde em Manaus

Deputado intermedia entre prefeituras e Governo repasse de R$ 100 milhões para combate à Covid-19 no interior do AM