Carlos Almeida sofre dupla derrota em processo que exigia cargos à vice-governadoria

Além do presidente do TJAM, desembargador Domingos Chalub ter suspendido liminar concedida a Carlos Almeida, durante plantão judicial, a magistrada Onilza Abreu Gerth extinguiu o Mandado de Segurança

Manaus | AM

O vice-governador do Estado, Carlos Almeida, sofreu dupla derrota, nesta segunda-feira (14), no Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM). Isto porque, além de ter a liminar que concedia cargos à vice-governadoria supensa, teve o mandado de segurança contra o governo do Amazonas, extinto. A ‘queda de braço’ entre Almeida e o governador Wilson Lima começou no início do mês, quando o chefe do Executivo Estadual decidiu colocar em prática mudanças administrativas cabíveis à sua administração.

Se sentindo afetado pelas modificações, o vice-governador decidiu por impetrar com o Mandado de Segurança Cível n. 4006236-14.2020.8.04.0000, com o objetivo “de suspender os arts. 6º, I e 8º, da Lei n. 5.243/2020”, a fim de que fosse “restituído o cargo de secretário-geral da vice-governadoria e demais cargos de assessoria à vice-governadoria, em atenção ao art. 27, inciso VI, da Constituição do Estado do Amazonas”.

O pedido que já havia sido negado na última semana, pelo presidente do TJAM, desembargador Domingos Chalub, foi concedido pelo desembargador Ari Moutinho, durante plantão judicial, no último sábado (12), e suspenso nesta segunda, novamente, por Chalub.

TJAM suspende decisão que beneficiava Carlos Almeida e vice perde batalha contra Wilson na Justiça

De acordo com o desembargador-presidente, a liminar concedida, em plantão, “gera grave lesão à ordem pública, na medida em que retira a competência do governador do Estado para reestruturar administrativamente os órgãos da administração pública, conforme previsão do art. 54, IV e IV, ‘a’, da Constituição do Estado do Amazonas”, que diz que “compete privativamente ao governo
do Estado (…) organização e funcionamento da administração estadual, quando não implicar aumento de despesa nem criação ou extinção de órgãos públicos”.

Leia, na íntegra, o Pedido de Suspensão de Liminar concedido pelo presidente do TJAM, desembargador Domingos Chalub

Além disso, Chalub destaca “que o pedido de liminar apresentado e apreciado no plantão judiciário, descumpre norma do Conselho Nacional de Justiça que veda a análise de reiteração de pedidos já apreciados no órgão judicial de origem”. “O plantão judiciário não se destina à reiteração de pedido já apreciado no órgão judicial de origem ou em plantão anterior, nem à sua reconsideração ou reexame”.

Extinção

Já a magistrada Onilza Abreu Gerth, relatora do Mandado de Segurança Cível n. 4006236-14.2020.8.04.0000, decidiu, também nesta segunda, extinguir o processo que, de acordo com ela, ia contra a Lei n. 5.243/2020. “Não é cabível o mandado de segurança contra a lei em tese, nem como sucedâneo de ação direta de inconstitucionalidade, sendo certo que a mera expectativa de violação não pode ser elevada à categoria de liquidez e certeza para fins de impetração do remédio constitucional”, disse ela em decisão monocrática.

Ela também revogou a liminar concedida, no sábado, por Ari Moutinho e, “julgo extinto o feito, sem a resolução do mérito, em razão da inadequação da via utilizada, e da consequente ausência de interesse processual do impetrante, nos termos do artigo 485, inciso VI, do Código de Processo Civil”. “Decorrido o prazo, sem interposição de recursos, arquivem-se os autos com as cautelas de praxe”, finalizou.

Leia, na íntegra, a decisão da juíza-relatora Onilza Abreu Gerth

2 respostas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mídia nacional repercute declaração de Bolsonaro sobre Alfredo Menezes

Coligação 'Aliança por Manaus' promove adesivaço e carreata

Carlos Almeida perde, no STJ, ação contra o Tribunal de Justiça do Amazonas