Carlos Almeida ameça tomar ‘medidas criminais e administrativas’ contra aqueles que se opuserem a exoneração de Bonates

Sem consultar o governador Wilson Lima e na 'calada da noite', Carlos Almeida tentou exonerar o secretário de Segurança Pública, Louismar Bonates, e nomear o comissário de polícia, Mário Aufiero

Manaus | AM

O vice-governador do Amazonas, Carlos Almeida (PSDB), ameaçou, por meio de nota nesta quinta-feira (22), tomar “medidas criminais e administrativas em relação aos servidores que se opuserem ao cumprimento da ordem de exoneração” do titular da Secretaria de Segurança Pública (SSP-AM), Louismar Bonates. Na ‘calada da noite’ desta quarta-feira (21) e sem consultar o governador do Amazonas, Wilson Lima (PSC), Almeida tentou exonerar Bonates e nomear em seu lugar o comissário de polícia, Mário Aufiero.

Carlos Almeida tenta exonerar Louismar Bonates e nomear o comissário Mário Aufiero para comando da SSP

Ainda na nota, o vice-governador disse que a exoneração “é um ato de extrema necessidade diante do escândalo que a permanência do secretário representava à frente da pasta”. “Como determina a Constituição, a ausência do governador implica em imediato exercício do cargo pelo vice-governador, portanto, enquanto governador em exercício, meus atos são válidos”.

Almeida ressaltou, também, que “posteriormente, caso Wilson Lima discorde de minha decisão, mesmo diante de todas as denúncias envolvendo o nome do secretário, o governador poderá reconduzi-lo ao cargo assim que retornar de viagem”.

Entenda o caso

Nesta quarta-feira, Carlos Almeida teria utilizado a senha de um servidor nomeado por ele para a Casa Civil, e tentado publicar o a exoneração de Louismar Bonates, no Diário Oficial do Estado (DOE). Amigo do vice-governador, Mário Aufiero, indicação de Almeida, chegou a ser diretor-presidente da Imprensa Oficial do Estado do Amazonas (IOA), pasta responsável pela publicação do DOE, e exonerado no início de 2021.

‘Ele tá sendo porta-voz de alguém’, diz Wilson Lima sobre ataques de Carlos Almeida

Em nota, o Governo do Amazonas esclareceu que Carlos Almeida e um funcionário comissionado da Casa Civil, de forma ilegal, “criaram um documento exonerando um secretário de Estado, sem conhecimento do chefe da Casa Civil e do governador”.

“O documento não chegou a ser publicado, por isso não tem validade e efeito. Mas o ato gravíssimo tem o objetivo de causar instabilidade e danos ao governo. Diante disso, o servidor será exonerado, teve as senhas de acesso a sistema de governo canceladas e foi proibido de entrar na Casa Civil. O caso foi encaminhado à policia, que tomará todas as providências para responsabilizar os envolvidos nesse ato criminoso”.

Nacional

O assunto, que já ganhou repercussão nacional, é destaque na coluna ‘Painel’, da ‘Folha de São Paulo’. De acordo com Camila Mattoso, responsável pelo espaço, o movimento de Carlos Almeida está alinhado com o do ex-prefeito de Manaus, Arthur Neto (PSDB), inimigo político de Wilson Lima.

Em maio deste ano, Almeida deixou o PTB e se filiou ao PSDB ‘de olho’ em uma possível aliança para as Eleições de 2022. Ainda na coluna da ‘Folha de S. Paulo’, a manobra do vice-governador é chamada de “armação”.

MPF processa Carlos Almeida, gestor e ex-gestores da Saúde do Amazonas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Wilson Lima modifica cinco secretários, nesta terça-feira; confira os nomes

CPI pede afastamento de Mayra Pinheiro e quebra sigilos de Ricardo Barros

Lira espera votar Reforma Administrativa até o final de agosto