Arthur Neto se atrapalha em debate sobre despreparo de gestores públicos e foge do tema

O ex-prefeito de Manaus, Arthur Neto, esqueceu de mencionar por qual motivo fechou o hospital de campanha montado por ele em pouco mais de 60 dias de uso

Manaus | AM

O ex-prefeito de Manaus, Arthur Virgílio Neto, tentou debater, neste sábado (20), durante live do Núcleo de Educação Política e Renovação do  Centro Preparatório Jurídico (CPJUR), sobre o despreparo dos gestores públicos no enfrentamento da Covid-19. Porém, esqueceu que cometeu inúmeras ‘trapalhadas’ durante a pandemiua enquanto era gestor do Executivo Municipal. “Se tivesse havido uma gestão competente, uma gestão unificada, sensível, isso teria sido diferente”, disse Arthur, fazendo referência ao presidente Jair Bolsonaro.

No entanto, o ex-prefeito de Manaus esqueceu de mencionar, no debate, que contou com a participação do vereador de São  que após pouco mais de 60 dias de funcionamento fechou o hospital de campanha que tinha, por objetivo, reforçar na saúde de manauaras acometidos pelo novo coronavírus.

Arthur também esqueceu de mencionar que deixou mais de 100 obras paradas no meio da segunda onda da Covid-19, em Manaus, e gastou, após a primeira onda, com várias plataformas de transporte coletivo que chegaram ao montante de mais de R$ 22 milhões. “Para mim, alguém educado politicamente sabe o valor da floresta amazônica em pé e prosperidade para o Brasil”, salientou o ex-prefeito.

O tucano também fugiu do assunto falando sobre religião, diversidade cultural, biodiversidade e pouco abordou sobre o despreparo de um gestor público. Outro legado de Arthur que não foi debatido foram as obras do Distrito Industrial, que estão orçadas em R$ 150 milhões, e foram retomadas na gestão de David Almeida (Avante).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Senadores Omar, Plínio e Braga votaram a favor da criação da CPI da Covid-19

AO VIVO | Saiba quais ministros do STF votaram contra a liberação de cultos e missas na pandemia

Roberto Cidade autorizou o gasto de mais de R$ 12 milhões com contratos na Aleam