Arthur Neto deixa três lotes de obras, no valor de R$ 150 milhões, paralisadas no Distrito Industrial

O prefeito David Almeida, o vice-prefeito e secretário de Obras, Marcos Rotta e o superintendente da Suframa, general Algacir Polsin prometeram destravar o andamento das obras das ruas da região

Manaus | AM

Ao menos três obras de revitalização no bairro Distrito Industrial, orçadas em R$ 149.083.961,38, ficaram paralisadas na gestão do ex-prefeito de Manaus, Arthur Neto (PSDB), segundo informações obtidas pelo O PODER no Portal da Transparência municipal. Além dessas obras, Arthur também deixou o legado de mais de 100 obras inacabadas para o atual prefeito David Almeida (Avante) e o vice-prefeito Marcos Rotta (DEM) finalizarem.

As obras que estão paradas são nas avenidas Buriti, Mandii, João Gonçalves, Mário Andreazza, Governador Danilo de Matos Areosa, Guaruba, além das ruas Rio Itaúba, Rio Quixito, Rio Jaguarão e Bola da Suframa. Todos fazem parte dos Lotes 1, 2 e 3 de um pacote de obras da Prefeitura de Manaus em conjunto com a Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa).

Reunião

Para acabar com esse dilema, David Almeida Marcos Rotta tiveram uma reunião, na última semana, com o superintendente da Suframa, o general Algacir Polsin, para destravar o andamento das obras de revitalização das ruas do Distrito Industrial, paradas desde dezembro do ano passado.

Obras inacabadas e deixadas pelo ex-prefeito de Manaus, Arthur Neto

“O Polo Industrial é a ‘galinha dos ovos de ouro’ da Amazônia, mas como vamos atrair investimentos para a nossa cidade com ruas sem infraestrutura adequada para o tráfego dos caminhões de empresas? Precisamos destravar os processos que atrasam essas obras e entregar para a nossa cidade ruas com qualidade, e que ajudem no processo de geração de emprego e renda”, afirmou o prefeito de Manaus.

O projeto de revitalização do Distrito Industrial, de acordo com a Prefeitura de Manaus, contempla a recuperação de 35 vias e a reconstrução total das rotatórias da Suframa e da Samsung. Os recursos são da ordem de R$ 120 milhões, sendo R$ 100 milhões via Suframa e R$ 20 milhões de contrapartida do município. Atualmente, 15 ruas já foram finalizadas e 50% dos trabalhos já foram concluídos.

Críticas

Também na última semana, Marcos Rotta criticou os problemas de infraestrutura deixados pela última administração, a exemplo do viaduto do Manoa, na zona norte, que teve de ser interditado por uma série de irregularidades técnicas e pela falta de segurança que o complexo oferecia para os usuários, conforme laudo técnico emitido pelo Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (Crea-AM).

Obras inacabadas e deixadas pelo ex-prefeito de Manaus, Arthur Neto

“Não bastasse a nossa adversidade do tempo, que estamos enfrentando com o período de chuvas e queda de arrecadação, David (Almeida) e eu assumimos a prefeitura com uma centena de obras inacabadas, pela metade e que não iniciaram, o que nos faz pensar no descaso e na irresponsabilidade daqueles que deixaram tudo aquilo à deriva, para que nós pudéssemos terminar. Nós não daremos desculpas, vamos arregaçar as mangas e trabalhar para solucionar isso”, afirmou o vice-prefeito.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Senadores Omar, Plínio e Braga votaram a favor da criação da CPI da Covid-19

AO VIVO | Saiba quais ministros do STF votaram contra a liberação de cultos e missas na pandemia

Roberto Cidade autorizou o gasto de mais de R$ 12 milhões com contratos na Aleam