Após ser acusado por Arthur Neto de ter ligação com o tráfico, Carlos Almeida aceita convite de filiação do PSDB

Arthur Neto atacou Carlos Almeida, em 2019, ao afirmar que o vice-governador teria ligações com o tráfico de drogas e interesse na ocupação Cidade das Luzes

Manaus | AM

Ao que tudo indica, o vice-governador do Amazonas, Carlos Almeida (sem partido), deve se filiar, nos próximos dias, ao Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), o mesmo do ex-prefeito de Manaus, Arthur Neto, que em 2019, acusou Almeida de ter ligações com o tráfico de drogas no Estado.

Arthur Neto, que atualmente é o presidente estadual do partido, teria sido o responsável pela futura filiação de Almeida, por meio de tratativas que ocorreram na presença do ex-presidente nacional do PSDB, senador Tasso Jereissati (CE).

Às vésperas de um ano político, o vice-governador, que travou verdadeiras ‘quedas de braço’ com o governador Wilson Lima (PSC), irá debandar para o partido comandado por Arthur Neto.

Em 15 de agosto de 2019, durante coletiva de imprensa, o então prefeito de Manaus acusou Almeida de defender a construção da obra de tráfico de drogas na ocupação Cidade das Luzes, bairro Tarumã, Zona Oeste.

No mesmo dia, Arthur Neto declarou, ainda, que o vice-governador do Amazonas era o mais adiantado de todos na invasão. “Não era inocente, não era criança e já era uma figurinha grande”, disse Arthur, na época.

Carlos Almeida já passou pelo Partido Renovador Trabalhista Brasileiro (PRTB), entre 2018 e 200; pelo Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), entre 2020 e 2021 e, atualmente, se encontra sem partido.

A equipe de reportagem do site O PODER tentou entrar em contato com o vice-governador, mas até o momento do fechamento desta não obteve sucesso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Projeto que prevê prova de vida virtual fica para a próxima semana

Corregedoria de Justiça recomenda participação de magistrados no curso "Violência Doméstica"

Eduardo Braga esquece que foi contra decisão do Governo do AM de fechar comércio no estado