Abraham Filho e Onilza Gerth são escolhidos os novos desembargadores do TJAM

A votação para as escolhas dos novos integrantes da Corte do TJAM ocorreu, nesta terça-feira (11)

Manaus | AM

O Pleno do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM) decidiu, nesta terça-feira (11), que os juízes Abraham Peixoto Campos Filho e Onilza Abreu Gerth são os novos desembargadores da Corte Estadual, como havia adiantado o site O PODER. Abraham obteve 16 votos e passa a ocupar a vaga por Merecimento, e Onilza venceu pelo critério de Antiguidade.

Segundo o presidente do TJAM, desembargador Domingos Chalub, a posse dos magistrados está previsto para ocorrer na próxima terça-feira (18). Chalub parabenizou os dois magistrados durante a votação do Pleno.

A agora desembargadora Onilza Gerth agradeceu seus colegas magistrados, sua família e Deus. “Recebo com muito alegria esse resultado. Queria agradecer à Deus, minha família. Estou aprendendo, ouvindo e isso é um momento especial para mim. Quero dizer que vou continuar fazendo esse trabalho e sempre buscando conhecimento”, disse ela.

Vagas

A vaga por Merecimento foi aberta após o falecimento do desembargador Aristóteles Lima Thury, em fevereiro deste ano, por complicações do novo coronavírus (Covid-19). A segunda vaga, pelo critério de Antiguidade, ocorreu em decorrência da aposentadoria do desembargador Sabino da Silva Marques.

Problemas

Durante a votação, houve um problema no sistema do Tribunal de Justiça, onde a desembargadora Vânia Marinho precisou votar nominalmente. O desembargador Yedo Simões também chamou a atenção do presidente Domingos Chalub, pois o mesmo fez os magistrados falarem sobre os três juízes mais votados, sendo que os votos já estavam no sistema no TJAM.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

'Fez muito mal ao Brasil!', diz Serafim após saída de Ricardo Salles do Meio Ambiente

Programa Nacional de Prevenção à Corrupção é lançado pelo TCE, TCU e CGU

Suspeitas sobre a compra da Covaxin dominam debate da CPI da Pandemia